É possível morar em Tristão da Cunha, a cidade mais isolada do mundo? - Foca na Folga

Chegando o fim de semana, que tal ir um pouco mais longe dessa vez? Hoje vamos conhecer Tristão da Cunha, uma remota ilha que abriga a cidade mais isolada do mundo.

A cidade mais isolada do mundo está localizada a 3.550 quilômetros da América do Sul e 2.800 quilômetros da África do Sul, literalmente no meio do Oceano Atlântico. É um arquipélago ultramarino britânico chamado de Ilha de Tristão da Cunha, onde reside o povoado de Emburgo dos Sete Mares.
Foto: Google

O nome do lugar não tem nada a ver com uma possível tristeza do povo que reside lá –até porque eles devem ter muita paz com todo esse isolamento–, mas, sim, pelo seu descobridor, Tristão da Cunha, um navegador português que em 1506 passou por lá durante uma viagem dando nome ao lugar, porém ele não pode atracar devido aos penhascos que lá existem com mais de seiscentos metros de altura.

A primeira volta ao arquipélago foi feita pela fragata francesa L'Heure du Berger em 1767. O primeiro morador permanente foi Jonathan Lambert, de Salem, Massachusetts, que chegou às ilhas em 1810. Ele declarou que as propriedades agora eram dele, e deu o nome de Ilhas do Refresco (Refreshment). Porém a sua soberania foi curta, pois morreu num acidente marítimo em 1812. Em 1815 os britânicos formalmente anexaram as ilhas.

Como chegar lá nos dias de hoje?

Bem, é uma tarefa nada fácil. Primeiramente é preciso ir até à África do Sul, na cidade de Cabo que, acredite, é o lugar mais perto da ilha. A partir de então é preciso pegar um barco em direção ao local, uma vez que não existem aviões com destino à cidade, já que o terreno plano da ilha é reduzido e não é possível construir uma pista de pousos lá.
Para viajar para lá é preciso enfrentar muita burocracia, levando até um ano para conseguir uma liberação. Apenas dez viagens por ano são realizadas para lá –isso se o tempo estiver bom onde cada barco leva apenas doze pessoas por vez e o preço de cada passagem é de dez mil dólares. O tempo só de ida dura uma semana bem cansativa, uma vez que o barco não conta com opções de lazer nem de muito conforto –tendo o passageiro que dividir até mesmo o quarto com outras pessoas–, ao contrário do que se espera pelo preço cobrado.
Chegando na ilha, você não poderá desembarcar imediatamente, porque no local não existe nenhum porto. Você precisará embarcar num barco menor para atracar na cidade, e os desafios não acabam aí...


O que fazer na cidade mais isolada do mundo?
Lá você não vai encontrar hotéis, restaurantes e opções de entretenimento, muito menos sinal de celular. Para se hospedar você precisa ficar na casa de um morador local, que te cobrará setenta dólares com as refeições já inclusas. Lá só existe um canal de televisão do exército inglês; internet é via satélite, mas de péssima qualidade, sendo usada no único computador existente por lá, então podemos dizer que não tem. A luz é através de um gerador a diesel, que pode não ser estável. A principal fonte de sustento da região é agricultura e a pesca, bem como os selos postais do local que são extremamente valiosos por serem raros. No supermercado é preciso fazer a sua encomenda com um mês de antecedência, onde os barcos de pesca buscam os produtos lá da África.
O mais complicado por lá é ficar doente, pois o hospital conta com médicos e enfermeiros que têm a capacidade de cuidar somente de casos de saúde menos graves; uma emergência demorará sete dias para chegar na cidade do cabo através de barco.

+ Veja também: Seria um sonho morar nesta vila sem veículos ou estradas?


Quais as vantagens de se estar lá?
Por se tratar do lugar mais isolado do planeta, Tristão é também o lugar mais tranquilo do mundo. Você pode fazer mergulhos em águas profundas e cristalinas do oceano, observar pássaros e pinguins e escalar o vulcão com quase dois mil e cem metros de altitude, que é a própria ilha. É o lugar perfeito para fugir do ritmo da cidade grande, não acha? Trânsito? Nem pensar. Ah, nunca foi registrado um crime por lá.
Mas também não dá para ignorar que os moradores precisam conviver com um vulcão ativo no quintal de suas casas, podendo ele acordar a qualquer momento; e isso aconteceu em 1961, durante o verão. Antes de acontecer o pior, o governo britânico evacuou a ilha e abrigou os moradores em Londres –em uma vida totalmente oposta da que eles estavam acostumados–. Em 1963 a fúria do vulcão já havia acabado e a grande maioria da população de Tristão da Cunha resolveu voltar para as suas vidas pacatas na ilha.

É paz que eu busco! Como faço para me mudar para lá?
Não existem propriedades particulares na ilha. Cada morador recebe um pedaço de terra para plantar e outro para morar, sendo passadas de geração para geração, garantindo que nenhum novo morador possa se instalar por lá. Não tem jeito de se mudar para lá e os passeios são caros para manter a tranquilidade e o isolamento do local. É compreensível.

Gostou? Curta nossa página @focanafolga

É possível morar em Tristão da Cunha, a cidade mais isolada do mundo?



Por favor, reserve um segundo para curtir, isso nos ajuda muito! é só clicar no botão:


Chegando o fim de semana, que tal ir um pouco mais longe dessa vez? Hoje vamos conhecer Tristão da Cunha, uma remota ilha que abriga a cidade mais isolada do mundo.

A cidade mais isolada do mundo está localizada a 3.550 quilômetros da América do Sul e 2.800 quilômetros da África do Sul, literalmente no meio do Oceano Atlântico. É um arquipélago ultramarino britânico chamado de Ilha de Tristão da Cunha, onde reside o povoado de Emburgo dos Sete Mares.
Foto: Google

O nome do lugar não tem nada a ver com uma possível tristeza do povo que reside lá –até porque eles devem ter muita paz com todo esse isolamento–, mas, sim, pelo seu descobridor, Tristão da Cunha, um navegador português que em 1506 passou por lá durante uma viagem dando nome ao lugar, porém ele não pode atracar devido aos penhascos que lá existem com mais de seiscentos metros de altura.

A primeira volta ao arquipélago foi feita pela fragata francesa L'Heure du Berger em 1767. O primeiro morador permanente foi Jonathan Lambert, de Salem, Massachusetts, que chegou às ilhas em 1810. Ele declarou que as propriedades agora eram dele, e deu o nome de Ilhas do Refresco (Refreshment). Porém a sua soberania foi curta, pois morreu num acidente marítimo em 1812. Em 1815 os britânicos formalmente anexaram as ilhas.

Como chegar lá nos dias de hoje?

Bem, é uma tarefa nada fácil. Primeiramente é preciso ir até à África do Sul, na cidade de Cabo que, acredite, é o lugar mais perto da ilha. A partir de então é preciso pegar um barco em direção ao local, uma vez que não existem aviões com destino à cidade, já que o terreno plano da ilha é reduzido e não é possível construir uma pista de pousos lá.
Para viajar para lá é preciso enfrentar muita burocracia, levando até um ano para conseguir uma liberação. Apenas dez viagens por ano são realizadas para lá –isso se o tempo estiver bom onde cada barco leva apenas doze pessoas por vez e o preço de cada passagem é de dez mil dólares. O tempo só de ida dura uma semana bem cansativa, uma vez que o barco não conta com opções de lazer nem de muito conforto –tendo o passageiro que dividir até mesmo o quarto com outras pessoas–, ao contrário do que se espera pelo preço cobrado.
Chegando na ilha, você não poderá desembarcar imediatamente, porque no local não existe nenhum porto. Você precisará embarcar num barco menor para atracar na cidade, e os desafios não acabam aí...


O que fazer na cidade mais isolada do mundo?
Lá você não vai encontrar hotéis, restaurantes e opções de entretenimento, muito menos sinal de celular. Para se hospedar você precisa ficar na casa de um morador local, que te cobrará setenta dólares com as refeições já inclusas. Lá só existe um canal de televisão do exército inglês; internet é via satélite, mas de péssima qualidade, sendo usada no único computador existente por lá, então podemos dizer que não tem. A luz é através de um gerador a diesel, que pode não ser estável. A principal fonte de sustento da região é agricultura e a pesca, bem como os selos postais do local que são extremamente valiosos por serem raros. No supermercado é preciso fazer a sua encomenda com um mês de antecedência, onde os barcos de pesca buscam os produtos lá da África.
O mais complicado por lá é ficar doente, pois o hospital conta com médicos e enfermeiros que têm a capacidade de cuidar somente de casos de saúde menos graves; uma emergência demorará sete dias para chegar na cidade do cabo através de barco.

+ Veja também: Seria um sonho morar nesta vila sem veículos ou estradas?


Quais as vantagens de se estar lá?
Por se tratar do lugar mais isolado do planeta, Tristão é também o lugar mais tranquilo do mundo. Você pode fazer mergulhos em águas profundas e cristalinas do oceano, observar pássaros e pinguins e escalar o vulcão com quase dois mil e cem metros de altitude, que é a própria ilha. É o lugar perfeito para fugir do ritmo da cidade grande, não acha? Trânsito? Nem pensar. Ah, nunca foi registrado um crime por lá.
Mas também não dá para ignorar que os moradores precisam conviver com um vulcão ativo no quintal de suas casas, podendo ele acordar a qualquer momento; e isso aconteceu em 1961, durante o verão. Antes de acontecer o pior, o governo britânico evacuou a ilha e abrigou os moradores em Londres –em uma vida totalmente oposta da que eles estavam acostumados–. Em 1963 a fúria do vulcão já havia acabado e a grande maioria da população de Tristão da Cunha resolveu voltar para as suas vidas pacatas na ilha.

É paz que eu busco! Como faço para me mudar para lá?
Não existem propriedades particulares na ilha. Cada morador recebe um pedaço de terra para plantar e outro para morar, sendo passadas de geração para geração, garantindo que nenhum novo morador possa se instalar por lá. Não tem jeito de se mudar para lá e os passeios são caros para manter a tranquilidade e o isolamento do local. É compreensível.

Gostou? Curta nossa página @focanafolga

0 Comentários