Maré alta deixa Veneza embaixo d’água - Foca na Folga

Maior maré alta desde 1966, ‘acqua alta’ subiu quase dois metros a mais que o normal e deixou a ‘parte seca’ da cidade italiana inundada.

Veneza registrou ontem, dia 12 de novembro, a maior maré registrada em 53 anos. Conhecida como ‘acqua alta’, a cheia histórica atingiu 1,90 metro e deixou boa parte da cidade embaixo d’água. Em novembro de 1966 a maré atingiu 1,94 metro.

O prefeito da cidade disse na famosa praça de São Marcos que hoje, dia 13, pedirá estado de catástrofe natural, pois os danos materiais e financeiros devem ser grandes. Ele disse ainda que espera que água pare de subir para não piorar ainda mais a situação.
A Euronews disse que 15% da cidade está inundada e que a situação pode vir a piorar, uma vez que a previsão para os próximos dias é a de que a chuva continue a cair.

© Reuters

Já o presidente da câmara de Veneza, Luigi Brugnaro, pediu no Twitter que as pessoas fiquem em casa. Ele informou ainda que escolas e espaços públicos estão fechados a fim de contabilizar e reparar os prejuízos.


O fenômeno da "acqua alta" costuma inundar as zonas baixas da cidade, principalmente a praça de São Marcos, um dos principais pontos turísticos de Veneza. O fenômeno ainda costuma ser agravado nesta época do ano devido aos fortes ventos que atingem a região.

"A situação é dramática. Pedimos ajuda ao governo. Os custos vão ser elevados. Este é o resultado das mudanças climáticas”, completou Brugnaro em sua conta no Twitter.

Maré alta deixa Veneza embaixo d’água



Maior maré alta desde 1966, ‘acqua alta’ subiu quase dois metros a mais que o normal e deixou a ‘parte seca’ da cidade italiana inundada.

Veneza registrou ontem, dia 12 de novembro, a maior maré registrada em 53 anos. Conhecida como ‘acqua alta’, a cheia histórica atingiu 1,90 metro e deixou boa parte da cidade embaixo d’água. Em novembro de 1966 a maré atingiu 1,94 metro.

O prefeito da cidade disse na famosa praça de São Marcos que hoje, dia 13, pedirá estado de catástrofe natural, pois os danos materiais e financeiros devem ser grandes. Ele disse ainda que espera que água pare de subir para não piorar ainda mais a situação.
A Euronews disse que 15% da cidade está inundada e que a situação pode vir a piorar, uma vez que a previsão para os próximos dias é a de que a chuva continue a cair.

© Reuters

Já o presidente da câmara de Veneza, Luigi Brugnaro, pediu no Twitter que as pessoas fiquem em casa. Ele informou ainda que escolas e espaços públicos estão fechados a fim de contabilizar e reparar os prejuízos.


O fenômeno da "acqua alta" costuma inundar as zonas baixas da cidade, principalmente a praça de São Marcos, um dos principais pontos turísticos de Veneza. O fenômeno ainda costuma ser agravado nesta época do ano devido aos fortes ventos que atingem a região.

"A situação é dramática. Pedimos ajuda ao governo. Os custos vão ser elevados. Este é o resultado das mudanças climáticas”, completou Brugnaro em sua conta no Twitter.
0 Comentários